sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Após tragédia da Gol, segurança na aviação ainda é alvo de críticas

Após tragédia da Gol, segurança na aviação ainda é alvo de críticas

Quatro anos depois do acidente entre o jato Legacy e o Boeing da Gol, que resultou na morte de 154 pessoas, entidades denunciam que boa parte dos problemas que vieram à tona na época, até hoje, não foram solucionados. Jornada de trabalho excessiva, controladores de vôo pouco qualificados, equipamentos obsoletos e falhas no sistema de comunicação por voz entre pilotos e trabalhadores em terra são apenas algumas deficiências.

O diretor de segurança de voo do Sindicato Nacional dos Aeronautas, comandante Carlos Camacho, aponta o crescimento da frota de aviões no Brasil como um dos fatores de perigo para novos acidentes. "De lá para cá houve um incremento muito grande na frota das empresas aéreas. São quase 300 aeronaves só nas duas maiores empresas aéreas. O Brasil não está preparado para a frota que tem hoje", disse.

Camacho ainda critica o direcionamento de grande parte das conexões em voos nacionais para o aeroporto de Congonhas. "Congonhas é conexão de 21 grandes cidades. Basta olhar a pista para ver como está saturado. Você não consegue andar, não consegue sentar nas áreas de embarque e os testes de motor são realizados sobre a própria pista".

Para os que trabalham nas companhias aéreas, a jornada de trabalho é cada vez mais um motivo de preocupação. "A fadiga está hoje sofrendo um gerenciamento pelas empresas. Se isso ocorre, é porque tem algo acontecendo. O estresse laboral nas cabines é altíssimo e você não tem o menor controle no caso dos controladores de tráfego aéreo", relata o diretor.

Para Aeronáutica, voos estão mais seguros

O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), ligado à Aeronáutica, destacou que muitas mudanças foram feitas para aumentar a segurança nos voos brasileiros. Segundo o órgão, o número de controladores de voo passou de 2.113, em 2006, para 2.828 hoje.

A formação dos controladores também foi qualificada nos últimos quatro anos. De acordo com o Decea, foi implantado o Programa de Elevação do Nível do Idioma Inglês com investimentos de R$ 4,5 a 5 milhões por ano.

O Decea destacou também a ampliação e atualização de radares e dos sistemas UHF e VHF, que auxiliam na navegação aérea. O departamento afirma que somente na região que engloba os Aeroportos de Viracopos, Congonhas e Guarulhos, em São Paulo, além de Galeão e Santos Dumont, no Rio de Janeiro, já foram investidos 150 milhões de reais. A previsão é de que esse valor seja dobrado até 2013.

Nenhum comentário: