sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Perito: comprovo que equipamentos do Legacy estavam desligados

Perito: comprovo que equipamentos do Legacy estavam desligados

25 de agosto Direto de Cuiabá

O perito e especialista em acidentes aéreos Roberto Peterka prestou depoimento nesta quarta-feira ao juiz federal substituto em Sinop, Fabio Henrique de Moraes Fiorenza, sobre dois laudos técnicos que demonstraram que o TCAS e Transponder (equipamentos de segurança de voo) estavam desligados, antes da decolagem dos pilotos americanos no jato Legacy que se chocou com o avião da Gol, em 2006. O acidente matou 154 pessoas no norte de Mato Grosso. O depoimento do perito levou cerca de três horas.

Segundo Peterka, no depoimento ele ressaltou ao juiz que, na caixa preta, não havia registros que o TCAS estava ligado. "Se um deles estivesse ligado (TCAS ou o Transponder) o acidente não teria ocorrido". A perícia foi entregue para a Justiça Federal em 2009, mas ela demorou 8 meses para ser concluída e possui mais de mil páginas.

"Eles (Joseph Lepore e Jan Paul Paladino) afirmaram que ligaram os equipamentos, mas eu comprovei que eles não ligaram. Essas informações foram confirmadas pelos dados da caixa preta e nos autos do processo. Eu estou convicto disso e comprovo", disse o perito.

Ao ser questionado sobre a conduta dos pilotos, Roberto Peterka, disse que não gosta de fazer juízo de valor e quem decidirá sobre a postura dos dois será a Justiça. O advogado e assistente de acusação no processo criminal, Dante D'Aquino, disse que a audiência com o juiz federal foi esclarecedora. Ele relatou que o processo está em seu curso normal e que agora é o momento da produção das provas.

O juiz irá ouvir o depoimento de mais duas testemunhas. "Depois dessa fase, será feito o interrogatório dos pilotos que podem ocorrer de três formas: carta precatória; pessoal (o que acho improvável) ou interrogatório por vídeo conferência. Havia uma tentativa por parte da defesa dos pilotos em atrasar o processo apresentando inúmeras testemunhas no exterior. Ainda bem que o juiz afastou a possibilidade desses depoimentos, pois entendeu que eles eram dispensáveis", diz Dante D'Aquino.

Na decisão do juiz federal tomada no dia 10 de agosto, ele pediu ao Comando da Aeronáutica e à Universidade de Brasília (UnB) a indicação de um profissional para prestar esclarecimentos sobre o sistema de controle de tráfego aéreo no Brasil. Além disso, será ouvido por carta precatória, o brigadeiro Jorge Kersul Filho, chefe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

Um comentário:

ATC Brasil disse...

Segundo Peterka, no depoimento ele ressaltou ao juiz que, na caixa preta, não havia registros que o TCAS estava ligado.

PERGUNTA: A caixa preta pode memorizar a ligação do TCAS? Duvidas. Acreditamos que não.

De toda maneira o TCAS normalmente se liga via o Transponder (RA/TA ou AURO).

Como Peterka pode affirmar coisas destas?

ATC BRASIL