sexta-feira, 4 de junho de 2010

Radar pode ter enganado pilotos do voo 447, dizem especialistas

Radar pode ter enganado pilotos do voo 447, dizem especialistas

Reportagem do Fantástico mostrou a opinião de grupo de experts. Eles analisaram investigações da queda do Airbus A 330, há um ano.

Do G1, com informações do Fantástico

Reportagem exibida no "Fantástico" deste domingo (29) mostrou a opinião de alguns especialistas de renome que analisaram o acidente do voo 447 da Air France, ocorrido há quase um ano.

Para eles, o radar do Airbus A330 pode ter levado os pilotos ao erro de entrar em uma tempestade gigantesca como a registrada naquela noite. "Nenhum piloto faria isso, a não ser por engano", disse John Cox, comandante e especialista em segurança de voo.

Jornalistas registram imagens dos primeiros destroços e objetos do Airbus
A330 recuperadas do mar, no Recife, em 12 de junho de 2009.

O acidente até hoje não tem uma explicação definitiva. O avião partiu do Rio de Janeiro na noite de 31 de maio de 2009 rumo a Paris. Sumiu de madrugada, quando sobrevoava o mar. No dia 6 de junho, destroços foram encontrados no Oceano Atlântico. Entre passageiros e tripulação, os mortos chegaram a 228, 59 deles, brasileiros. Equipes de resgate não recuperaram nenhuma das caixas pretas do avião perdidas no fundo do mar, única maneira de ter certeza sobre o que aconteceu.

Um grupo formado por alguns dos maiores especialistas em aviação civil do mundo reuniu as informações disponíveis e apresentou os resultados de uma investigação independente.

O radar do Airbus A330 pode ter levado os pilotos ao erro de entrar em uma tempestade gigantesca.Na opinião dos especialistas, os pilotos franceses foram enganados pelo radar. O voo 447 estava de frente para uma gigantesca tempestade tropical de 400 km de largura, mas o radar do Airbus foi bloqueado por uma tempestade menor e os pilotos foram incapazes de enxergar a ameaça que estava por trás. Diversos vôos naquela noite desviaram da tempestade: o 447 fez apenas uma pequena correção de rota. Na frente das nuvens gigantes aparecia uma tempestade pequena.

Participaram das investigações o inglês Tony Cable, veterano nas investigações como a da queda do concorde em Paris e o atentado que derrubou um jumbo da Panair sobre a Escócia; e John Cox, comandante americano especialista em segurança de voo.

Tubos congelados

Às 2h11 da madrugada do acidente, uma mensagem acusou falha geral nos tubos Pitot do Airbus, o que significa que o computador de bordo perdeu seu principal parâmetro, a medição de velocidade.

Tubos Pitot são uma espécie de velocímetro dos aviões. Por garantia, cada avião tem três tubos Pitot. No voo 447, os três falharam.

Para a equipe de investigadores, uma anomalia climática pode ter parado os tubos: a sobrefusão da água, que é quando a temperatura da água é baixa o suficiente para se transformar em gelo mas permanece liquida.

As análises indicam que os tubos Pitot foram atingidos por água em sobrefusão dentro das nuvens e pararam de funcionar. Desde 2003, em 36 ocasiões o fenômeno aconteceu com aviões AirBus. Em 2007, a fabricante recomendou as trocas dos tubos. A Air France estava prestes a substituir o equipamento daquela aeronave.

Diante da emergência, o computador de bordo desligou o piloto automático e os pilotos se viram obrigados a assumir o controle. Um problema: sem os tubos Pitot, eles não sabiam a que velocidade estavam viajando e o que deveriam fazer para que ela fosse suficiente para sustentar o voo.

Em simuladores de voo, os especialistas reproduziram as falhas e, com muita dificuldade, conseguiram manter velocidade e evitar a queda mesmo com a quebra dos três tubos Pitot.

"Mesmo em queda livre seria possível retomar avião, mas seria preciso habilidade de pilotos militares", na opinião de John Cox.

Homenagem e indenizações

Um grupo de familiares das vítimas do voo 447 embarcou no domingo (30) do Rio de Janeiro para Paris. Na terça-feira, os parentes participam de uma homenagem às 228 pessoas que estavam no avião da Air France.

Como esquecer a tragédia e recomeçar a vida? Neste momento, ainda é impossível, dizem os familiares. “Estou tentando preparar a minha filha, tentando preparar a minha família porque ele não vai voltar", diz Lenita, que perdeu o marido.

"O luto das pessoas simplesmente não fecha enquanto não se descobrir o que houve", comenta a irmã de Adriana, Maarteen Van Sluys.

Em março, a Justiça do Rio de Janeiro condenou a Air France a pagar indenização de R$ 2,4 milhões à família de uma das vítimas. A empresa recorreu da decisão.

A maioria das famílias brasileiras entrou com pedidos de indenização nos Estados Unidos.
As ações são contra a Air France e contra 19 fabricantes americanos de peças e de equipamentos usados no avião que caiu no mar.

"É mais rápido e muito mais justo. Porque lá se trata a vida realmente no seu devido valor", compara Nelson Faria Marinho.

"O principal é sabermos da verdade. Amanhã qualquer um de nós pode estar em um avião desses".De Paris, Nelson Marinho Filho, aos 40 anos, iria para Angola, trabalhar em uma plataforma de petróleo como mecânico. Em homenagem a ele, o irmão fez um poema.

“O principal é sabermos da verdade. Amanhã qualquer um de nós pode estar em um avião desses", diz Nelson Faria Marinho.

De Miami, pela internet, falamos com o advogado americano contratado por parentes das vítimas. Ele não quis revelar o valor das indenizações mas disse que o julgamento dos pedidos deve começar em no máximo nove meses.

Em nota, a assessoria da Air France no Brasil diz que a empresa presta assistência psicológica, mediante avaliações periódicas, que indenizou algumas famílias no Brasil e que segue empenhada para acelerar as indenizações.

3 comentários:

Anônimo disse...

Radar enganar pilotos da Air France???, ele pegou uma MCS... com valores de CAPE acima de 1500j/kg, triturou a aeronave , foram dectadas temperatura entorno de -70/80 negativos, ,velocidade M.841/288Kias,não cumpriu a reduçaõ de vel.p/ a boundery speed, chegou a M.855/293Kias, um erro irreparável, dizem: o ADIRU 1 ficou louco,.....desliga-se, desconectasse o mesmo, nÃO FIZERAM.....lamentavel, entrou num MCS updrafts velocity de 23/25m/seg., destruidoras, fatores G superiores, arrebentaram a empenagem desta pobre aeronave, faltou "pé e mão"???? eis o dilema, automação em demasia,..... o Panam na Escócia e não PANAIR, esta a faliram, e a Varig ficou sendo a Pioneira (de quê??), virou FLEX e sumiu, é a sindrome da PANAIR!!!!

ATC BRASIL disse...

Arrebentaram a empenagem - sera bem interessante saber a que momento isto aconteceu?

Bem no inicio da sequência?
Durante a caida?
No final / ao tocar a agua?

Sabe informar?
ATC Brasil

ATC Brasil disse...

Tem aqueles que dizem que subir a FL 350 com 230 tonelas na decolagem era "limite" por um 330 e perto do Coffin Corner.

Era bem "ousado" e com uma margem de velocidade minima.

Tem uma opinao?
ATC Brasil