segunda-feira, 29 de junho de 2009

CINDACTA I em Brasilia tem novo comandante

Centro de Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I) tem novo comandante

O Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I) realizou (24/6) solenidade militar de passagem de comando do Brigadeiro do Ar Rafael Rodrigues Filho ao Coronel Aviador Mauricio Ribeiro Gonçalves.

A cerimônia militar foi presidida pelo Tenente Brigadeiro do Ar Paulo Roberto Cardoso Vilarinho, Chefe do Estado Maior da Aeronáutica (EMAER), e o ato de passagem de comando foi presidido pelo Ten Brig Ar Ramon Borges Cardoso, Diretor-Geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA).

Estiveram presentes à cerimônia, entre outras autoridades, o Tenente Brigadeiro do Ar Aprígio Eduardo de Moura Azevedo, Secretário de Economia e Finanças da Aeronáutica (SEFA), o Tenente Brigadeiro do Ar R/1 Ronald Eduardo Jaeckel, o Major Brigadeiro do Ar Ricardo Machado Vieira, Comandante do Sexto Comando Aéreo Regional (COMAR 6), o Major Brigadeiro do Ar Elcio Picchi, Vice-Diretor do DECEA, o Major Brigadeiro do Ar Antonio Franciscangelis Neto, Chefe do Gabinete do Comandante da Aeronáutica, e Major Brigadeiro do Ar Flavio dos Santos Chaves, Chefe do Estado-Maior do COMGAR.

Fonte: CINDACTA I

Prisão administrativa do Presidente da ABCTA

A partir do dia 27/06/09, o Presidente da ABCTA, EDLEUZO CAVALCANTE irá cumprir prisão administartiva de 8 (oito) dias sem fazer serviço (significa que não irá trabalhar no horário do expediente normal).

Ficará retido dentro do hotel de trânsito do 6º COMAR, com uma ou uma hora de banho de sol por dia. Essa é provavelmente por causa de uma das entrevistas que concedeu recentemente como presidente da ABCTA (entrevista na revista Época).

OBS - vamos publicar o artigo "incrinado" por que vocês podem julgar

Belém tem Centro de Controle de Voo modernizado em tecnologia nacional

Belém tem Centro de Controle de Voo modernizado com tecnologia nacional

Software, 100% nacional desenvolvido pela Atech Tecnologias Críticas, substitui sistemas antigos.

O Centro de Controle de Aproximação de Voo (APP) de Belém vem operando com tecnologia 100% nacional. O sistema estrangeiro, que ainda era utilizado para controle do tráfego aéreo cede lugar para o STVD (Sistema de Tratamento e Visualização de Dados), um software brasileiro, desenvolvido pela Atech Tecnologias Críticas. O Centro, que desde o primeiro trimestre deste ano foi revitalizado, é responsável por 110 voos diários. O programa de modernização dos centros de controle do tráfego aéreo foi iniciado em meados de 2000 e é uma iniciativa do Comando da Aeronáutica do Brasil.

O novo sistema nacional foi projetado para que o controlador tenha facilidades para realizar todas as complexas atividades requeridas para a segurança e eficiência das operações aéreas, incluindo o monitoramento de desvios relativos à separação lateral, vertical e longitudinal entre as aeronaves em voo. O sistema aumenta a segurança e a fluidez do tráfego em áreas de grande quantidade de voos, uma vez que minimiza a carga de operação e agiliza a execução de ações rotineiras para os controladores.

Além disso, ao desenvolver o STVD, a Atech criou um sistema capaz de acompanhar a ampliação da malha aérea brasileira, característica que vem ao encontro das necessidades do setor, visto que para a América Latina é esperado um aumento de 239% no número de voos até 2025, segundo a Organização da Aviação Civil Internacional (OACI).

Segundo o diretor da Atech, Delfim Ossamu Miyamaru, outra particularidade do STVD é que para operá-lo são utilizados equipamentos e consoles que seguem padrões internacionais e customizados segundo as características de cada local no qual o sistema é implantado. “Nas localidades nos quais o sistema ainda não é automatizado, a mudança será total. Os controladores que utilizavam o sistema manual serão treinados a operar o novo automatizado”.

A substituição do sistema estrangeiro pelo sistema nacional integra um amplo programa do Comando da Aeronáutica voltado à revitalização dos APPs e dos Centros de Controle de Área (ACC). O Brasil possui hoje 29 APPs radar e 4 ACCs cobrindo o território brasileiro: Brasília, Curitiba, Recife (PE) e Manaus e um ACC cobrindo a parte oceânica, o Atlântico, que também fica em Recife. Para cada um dos ACCs, exceto o Atlântico, existe um órgão de Defesa Aérea conjugado, formando os Cindacta I, II, III e IV. A expectativa é que o processo de modernização esteja finalizado em 2010.

Além do APP de Belém, já foram modernizados os localizados em Natal (RN), Salvador (BA), Brasília (DF), Pirassununga (SP), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Recife (PE), Cuiabá (MT) e Campo Grande (MS). Nas localidades de Manaus (AM), Anápolis (GO), Porto Alegre (RS), Foz do Iguaçu (PR), Santa Maria (RS) e Maceió (AL) o processo de modernização está em andamento e ainda este ano deverão ser entregues.

Modernização - A atualização dos centros consiste no uso de tecnologia de última geração para instalação de um sistema com novas funcionalidades, máquinas com maior capacidade de processamento e execução de um software de controle que promove segurança ainda maior para o tráfego aéreo no território nacional.

Segundo Miyamaru, trata-se de um trabalho que coloca o Brasil em igualdade com países da Europa e com os Estados Unidos, que possuem um fluxo aéreo bem mais intenso. As novas tecnologias vêm sendo desenvolvidas para aprimorar e otimizar o tratamento de informações, a comunicação entre controladores e pilotos, e a troca de informação entre o operador e o Sistema de Tratamento e Visualização de Dados (STVD).


Os APPs são responsáveis por controlar o tráfego de aeronaves nas fases de aproximação para pouso e decolagem de um aeroporto. Já os ACCs são responsáveis por controlar o tráfego de aeronaves em rotas aéreas e são sistemas que fazem parte dos Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo (Cindacta), estruturas apoiadas em redes de radares e estações de telecomunicações, que desenvolvem simultaneamente de forma integrada duas atividades que têm as mesmas características, mas finalidades diferentes: uma de caráter militar (vigilância e defesa aérea) e outra de caráter civil (controle de tráfego aéreo).

Atech - A Atech participou do processo de absorção e capacitação tecnológica brasileira na busca e na efetivação para que o País tivesse seu próprio sistema de controle e defesa de tráfego aéreo. Com o domínio do ciclo do conhecimento dessa tecnologia, ela vem atuando no desenvolvimento , implementação e modernização do gerenciamento do espaço aéreo brasileiro, civil e militar.

Até 2010, a organização será responsável pelos sistemas que controlam 100% do espaço aéreo no Brasil, além de ser referência no Hemisfério Sul para desenvolver, fornecer e integrar, com tecnologias próprias, esse tipo de solução. Ela figura entre as dez empresas no mundo que atuam nessa área.

A organização também já atua, em paralelo, para a evolução dos sistemas atuais do novo conceito internacional de gerenciamento aéreo do futuro, o CNS/ATM (Communication, Navigation, Surveillance / Air Traffic Management) -- que utiliza, entre outros, recursos de gestão de voo apoiados em satélites para comunicações , vigilância e navegação das aeronaves.