sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

G1: Pilotos do Legacy querem ser interrogados nos Estados Unidos

Pilotos do Legacy querem ser interrogados nos Estados Unidos
Joe Lepore e Jan Paladino entraram com pedido de habeas corpus no STJ.
Defesa alega que acordo permite interrogatório fora do Brasil.

MIRELLA D'ELIA
Do G1, em Brasília

Os pilotos do jato Legacy, que colidiu com o Boeing da Gol que fazia o vôo 1907, em 29 de setembro de 2006, causando a morte de 154 pessoas, entraram com um pedido de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que sejam interrogados nos Estados Unidos. Segundo a defesa dos pilotos, o pedido foi protocolado no dia 1º de fevereiro.

No acidente, Joe Lepore e Jan Paladino conseguiram pousar o jato na Base Aérea de Cachimbo, no Sul do Pará, após o choque com o avião da Gol. Todos os ocupantes do Boeing morreram. Em junho do ano passado, a Justiça brasileira aceitou denúncia do Ministério Público contra os dois pilotos por homicídio culposo.

Segundo o advogado Theo Dias, que defende Lepore e Paladino, acordo de assistência judiciária entre Brasil e Estados Unidos permite o interrogatório fora do país. E também prevê a possibilidade de o próprio juiz ir aos Estados Unidos para ouvir o depoimento ou enviar as perguntas por carta rogatória.

“O pedido é para que seja reconhecido o direito de eles serem ouvidos nos Estados Unidos. A forma como eles serão ouvidos é uma decisão do juiz”, afirmou o advogado, por telefone, ao G1.

O STJ não informou quando o pedido de habeas corpus será julgado.

Depoimento à Aeronáutica
Os pilotos norte-americanos do jato executivo Legacy já foram ouvidos nos Estados Unidos no começo do mês por oficiais do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Aeronáutica, ligado ao Ministério da Defesa.

Os depoimentos duraram três dias e foram prestados em Washington. Os pilotos Joe Lepore e Jan Paladino ouviram a transcrição da caixa preta do jato executivo Legacy. Eles afirmaram que não desligaram o transponder, equipamento anticolisão que na hora do acidente não funcionou.

“Os pilotos puderam esclarecer uma vez mais que não houve, por parte deles, nenhuma conduta culposa negligente, e que, pelo contrário, eles agiram com profissionalismo”, disse, à época, o advogado dos pilotos, Theo Dias.

Nenhum comentário: